A Universidade Potiguar (UnP) acaba de fazer demissões em massa. A crise no setor educacional, como consequência dos cortes de verba no Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), estaria por trás das graves medidas.

Na manhã desta quinta-feira, dezenas de professores, alguns com maxresdefault10, 15 e até 20 anos de casa, receberam a notícia da demissão sumária.
As destituições seriam reflexo da crise nacional do setor, que, por sua vez, adviriam da crise econômica nacional.
As primeiras informações são de que cerca de 180 professores teriam sido demitidos. O Visor Político já solicitou informações e aguarda uma posição oficial da instituição de ensino.
Fala-se em prejuízo a dezenas de cursos.
As demissões atingem os campi de Natal e Mossoró.
Para os estudantes, estimam-se prejuízos. Alunos associados aos professores demitidos para orientação de monografia, por exemplo, terão que migrar para outros professores.
A UnP perde também em qualidade, já que as supervisões, antes feitas por doutores, agora passaram a ser executadas por professores menos graduados.
Como implicação antevê-se a queda na qualidade da educação, com aporte para estratégias de ensino online. Cursos de 700 horas terão redução de carga para 400.
Informações extraoficiais dão conta de que as medidas da instituição de ensino foram provocadas por calote do governo federal, que negociou a menos e parcelou repasses.
Dentro de instantes, outras informações.